quarta-feira, 4 de maio de 2011

Ambiguidades


Por que quando
Quero dormir acordo
E quando quero acordar
Adormeço
E se pisco uma estrela
Amanheço
Se me dobro na alva
Anoiteço

E já não cabe em mim
a dor da ambigüidade.
Me quedo a fustigar
a má verdade
debruçada
sobre o pó das mazelas..
De não ser só eu
E nem ser só ela..
De ser uma alma
Partida ao meio
De ser uma fração
de um ser inteiro?
Partituras distintas
da mesma canção..
ser metades inteiras
de um só coração;

Sandra Freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário