quinta-feira, 26 de maio de 2011

Medo

Tenho medo de não suportar essa dor que mina dos meus poros, qual goteira rixosa em casa velha. Tenho medo de não conter esse desejo que serpenteia minha carne, sempre que lembro das suas mãos tocando meu corpo. Tenho medo de jogar pela janela o pouco de razão que me sobrou, quando a miragem do teu olhar quente entra soturno pela minha janela. Tenho medo de rasgar o céu com as unhas, sempre que lembro que a vida nos quis assim: separados. Tenho medo da insanidade escondida no meu travesseiro, olheira das imagens lacívas, desenhadas pela nossa silhueta. Tenho medo de passar a eternidade sem entender, por que tenho medo de mim sempre que penso em você.

Sandra Freitas

2 comentários:

  1. Que bom que voltou menina Sandra, senti saudades. Os nossos medos sempre nos atormentando mas é uma realidade. Beijos linda.

    ResponderExcluir
  2. A vida nós dá os medos pra justamente aprendermos a enfrenta los e sermos mais fortes...grande beijo de bom final de semana pra ti amiga.

    ResponderExcluir