sexta-feira, 6 de maio de 2011

Nós

Não há vazios em nosso vocábulo.
Nem solidão.
Nem sós.
Apenas nós.
Nós atados em nós.
E se acaso não sou eu a imagem expressa
em carne e osso,
é meu, esse perfume que permeia o
ambiente e te enlaça o pescoço.
Sou eu a tocar de leve suas mãos.
Sou eu refletida nos olhos das outras.
Sou eu a chama que agora parece
derreter-te a alma.
E ainda quando a
dança eterna me conduzir
ao grande baile, ornada em rosas
vermelhas
e velas funestas,
não te assustes meu amor
serei eu, estilhaços de sonhos
fragmentados nessa lágrima
que teima em rolar e
morrer em seus lábios.
Sou eu em ti,
sem sós
só nós.

Sandra Freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário