quinta-feira, 5 de maio de 2011

Verossimilhança


Dor lancinante
vibra como
onda quebrando nas marés.
Dor/mente minha alma
se recusa a sair do cárcere,
atada ao vapor da ausência
a fome da presença,
que no vento nunca passa..
Mente o dia, mente a noite
A lua também mente
Mas a dor que alma sente
É de amor deveras/mente.

Sandra Freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário