sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Língua



No conto
acrescento o ponto,
minto, aumento a emoção,
língua escrava do pecado
da morte no  meu coração.
Quer a honra e a glória
pra imagem distorcida
finge que ainda é morto
o Dono e Autor da Vida.
Sobra maledicência
A alma morre a míngua
E meu corpo adoece
com os pecados da
língua.
Não há canto,
Não há hino,
Nem se quer uma oração.
Foi-se a  doce Presença
Tudo é frio, seco e vão.
Tua Espada vem alada
operar em meu favor
remover precisamente
a áspide em meu interior!

Sandra Freitas.








Hálito fresco

Senhor,

Um monstro há em mim.
Vestido de malignidade.
Mas não é meu.
Enquanto eu dormia
(Por que dormi??)
Nosso inimigo semeou
na minha terra um
gérmen maquiavélico.
E eu não sofri,
não percebi,
cresceu em mim
e eu morri.
Sem cova,
sem lápide
sem flores ou homenagens.
Foram-se nossos beijos
dissolveram-se os desejos
Foi aí que te perdi.
Volta e devolve-me a Vida
Sopra seu hálito enfim
Tira-me da sepultura
Tira esse monstro de mim!


"POIS SABEMOS QUE NOSSO VELHO HOMEM FOI CRUCIFICADO COM ELE, PARA QUE O CORPO DO PECADO SEJA DESTRUÍDO, E NÃO SEJAMOS ESCRAVOS DO PECADO"
Romanos 6:6

Sandra Freitas




sexta-feira, 14 de julho de 2017

Identidade

Na sua identidade, eu descobri quem eu sou. Quanto mais eu sei sobre você, mais descubro sobre mim.

Sandra Freitas

terça-feira, 1 de março de 2016

Filha

"Filha minha guarda (vela por praticar) as minhas palavras e os meus mandamentos esconde dentro de ti. Guarda meus mandamentos e vive; a minha lei como a menina dos teus olhos." Provérbios 7:1,2.

Palavra-Mandamentos-Lei.




quarta-feira, 22 de abril de 2015

Benjamim






Quando tudo virou de "pernas pro ar"foi aí que nos demos conta de que é aí que cada coisa deve estar.





Sandra Freitas

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Pra 2015

Cabelo sem química, mas não natural.
Desejos de expurgos ao entardecer
saliva sobrando ao amanhecer
vontade de mastigar e engolir a vida a cada duas horas.
Dores,
Incômodos,
cansaços,
Adeus a rotina
e a velha menina
balzaquiana.
E nada explica esse amor que
me toma,
me domina,
me engorda e as vezes
sai pelos olhos.
18 semanas de amor.

Sandra Freitas

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Velho

Vou me despindo do velho
com todos os seus trapos e farrapos
em tantas camadas cinzentas e empoeiradas
vou  abrindo leveza em cada passo, e enraizando
 a planta dos pés junto a fonte.
Mas a cada despir, um novo tecido roto ressurge, corroendo minha
respiração, sangrando minha garganta, molhando meus olhos.
O Jó que antecede a queda ciranda de mãos dadas com o Pedro
caco de barro, com o Saulo antes da Luz. Brincam de esconder na minha bondade velada.
E cantarolam em uníssono a canção da obstinação, Jacó rege o coro
e eu morro.
Tomarei o cálice da salvação, subirei o monte caveira, e ainda que não derradeira
seguirei meu Mestre.

Sandra Freitas

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Eu tenho medo...




Que lições ainda tenho que aprender?
Ó firma meu olhar em Ti
para que meus pés não vacilem no  percurso
do caminho.
O que queres me ensinar, que meu coração que não consegue enxergar?
Me leve  a crer que mesmo sem entender, tua graça me basta e que nada no universo é maior que teu Amor por mim.


Sandra Freitas.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Tarja Branca- A revolução que faltava.

Se a gente brincasse de índio
pisasse descalço
dançasse na chuva.
Se jogasse amarelinha
corresse no pic
dormisse no esconde..
e se a gente rodasse o pião
sujasse de barro
deitasse no chão...
e se...
e se...
talvez adultos humanos
talvez humanos adultos
talvez mais gente feliz.

Sandra Freitas